Tudo sobre pets

Comportamento de Cães Idosos

Como se comportam os cães com mais idade

Artigo publicado por Maria Paula

A idade chega para todos, e um dia temos que compreender que nosso corpo não é mais o mesmo da época de juventude, e com seu cãozinho a situação é a mesma. A partir dos 7 anos ele pode já ser considerado na fase idosa. Nesse momento da vida as funções fisiológicas já não são as mesmas. Alterações neurológicas, renais, metabólicas, entre muitas outras convergem em mudanças de hábitos e comportamento do seu cão.

exercícios de liderança

Demência nos cães idosos

O nome científico disso é Disfunção Cognitiva Canina (DCC). Esse é o processo de perda de cognição e função neurológica afeta cães de idade avançadas, levando-os a adotar comportamentos diferentes dos habituais. Sintomas dessa perda vão desde desorientação até convulsões em casos mais avançados. Alguns desses sintomas podem passar despercebidos no dia-dia pois são de caráter gradual não havendo um contraste grande que leve a uma percepção do que vem acontecendo.

Se o seu cão já tem mais idade, observe no seu velhinho se ele deixou de percorrer os mesmos caminhos habituais, se perdendo na casa ou andando em círculos. Analise também como anda seu convívio social. Cães com inicio de demência podem se tornar desde introspectivos até agressivos, principalmente com outros animais e visitas.

No caso da introspecção, ela é decorrente da perda de cognição, e isso pode ser interpretado como uma perda de amabilidade pelo o cão quanto ao dono. Isso vem também acompanhado do fato do cão se tornar menos responsivo. Por exemplo, ele sempre veio até vocêquando chamado, com a idade ele perde esse costume.

Além desses, ele pode também se esquecer dos locais de evacuação habituais, realizando suas necessidades em locais inapropriados. E por fim outro sintoma que pode passar despercebido é a alteração de sono. Ele pode variar para mais ou para menos, deixando seu cão mais horas ou menos horas acordado.

Essas horas acordados a mais, são facilmente percebidas pelo aumento de vocalização à noite. Isso associado à Síndrome de Ansiedade de Separação, que será explicada no ponto seguinte, torna a situação muito mais complicada para o cão e para o dono.

Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS)

Essa é uma síndrome que é desenvolvida durante a vida do animal. Ela pode estar presente desde animais mais novos até os mais velhos. Porém, um cão com essa síndrome tende a ter seus sintomas intensificados na velhice. Ela é desenvolvida por conta de cuidados excessivos e demasiada inserção do cão na vida do dono, como ambos fossem apenas um.

Hábitos como comer junto, dormir junto, e ter cuidados demais podem levar o cão a desenvolver esse problema. Por exemplo: Quando o dono se prepara para sair, ele realiza hábitos costumeiros que são identificados pelo cão por conta do tempo de convivência. A partir daí, o cão sofre uma forte descarga de ansiedade pelo simples fato de imaginar ficar sem a presença de seu dono, desencadeando diversos comportamentos como:

cão idoso

  • Defecação e micção em locais inapropriados
  • Destruição de objetos
  • Automutilação
  • Aumento da vocalização com uivos ou latidos excessivos

Todos esses sinais são decorrentes da ansiedade interna que os animais sentem ao se encontrarem sozinhos sem o dono. Isso pode ser caracterizado como uma fobia canina que deve ser tratada. E eis que reside o problema, pois em idades mais avançadas isso pode ser um pouco mais complicado visto a depleção neurológica já citada, tornando a capacidade de cognição do cão limitada e impedindo que ele aprenda novos hábitos.

O ideal é que seja procurado um profissional para orientar o dono quanto a reeducação do animal quando mais jovem, através de reforços positivos e negativos de comportamento. Entenda que a idade chega para todos, e quando tudo isso ocorrer para o seu cãozinho, lembre-se, não é por que ele está mais bagunceiro ou não gosta mais de você, são apenas problemas inerentes à chegada do fim da sua vida. Nesse momento o cão precisa de muito carinho e cuidado que só seu dono pode prover.

Publicado por Maria Paula nas categorias: Cães




Envie seu comentário: